+55 11 3385-9339 sac@cnph.com.br EnglishPortuguês
Processo De Tomada De Decisao

8 FATORES IMPORTANTES NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO NA ENFERMAGEM E SUAS PRINCIPAIS RAZÕES

O processo de tomada de decisão na enfermagem envolve escolhas com base em propósitos, sendo as ações orientadas para atingir um objetivo, determinando a eficiência desta tarefa.

As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) apontam como competência ou habilidade exigida dos enfermeiros a Tomada de Decisão:

“O trabalho dos profissionais de saúde deve estar fundamentado na capacidade de tomar decisões visando o uso apropriado, eficácia e custo-efetividade, da força de trabalho, de medicamentos, de equipamentos, de procedimentos e de práticas. Para este fim, os mesmos devem possuir habilidades para avaliar, sistematizar e decidir a conduta mais apropriada”.

De acordo com o Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem, exercer a profissão com justiça, compromisso, equidade, resolutividade, dignidade, competência, responsabilidade, honestidade, lealdade e fundamentar suas relações no direito, na prudência, no respeito, na solidariedade e na diversidade de opinião e posição ideológica é responsabilidade e dever do profissional.

Portanto, se você deseja desempenhar um papel importante na área da saúde e tomar as decisões certas, continue lendo esse artigo.

Processo de Tomada de Decisão na Enfermagem

8 fatores importantes no processo de tomada de decisão na enfermagem

O processo de tomada decisão na enfermagem firma-se como sendo uma tarefa dentro do campo da administração, sendo crucial a participação dos profissionais dentro desse aspecto de trabalho.

Esta responsabilidade deve ser coerente com uma filosofia de trabalho, do estilo de liderança adotado e de como o profissional se compromete com a profissão, com o seu grupo de trabalho e com a unidade.

É um dos elementos de definição do perfil do enfermeiro e complementa as atividades administrativas desempenhadas, como sendo a tarefa mais importante em todas fases do processo de trabalho.

O enfermeiro ao assumir um trabalho em instituições, se depara com situações diversas que lhe exigem conhecimentos, habilidades e atitudes coerentes, precisas e imparciais para uma tomada de decisões que venham ao encontro de seus valores pessoais e éticos e ao mesmo tempo que atenda aos objetivos e metas da organização.

As fases do processo decisório podem ou não ser percorridas. Entretanto, aplicá-las pode auxiliar na decisão mais adequada, visto que serão considerados diferentes fatores, sendo eles:

1. Percepção do problema (descrever objetivamente a situação)

No processo de trabalho, a tomada de decisão é considerada a função que caracteriza o desempenho da gerência. Independentemente do aspecto da decisão, esta atitude deve ser fruto de um processo sistematizado, que envolve o estudo do problema a partir de um levantamento de dados, produção de informação, estabelecimento de propostas de soluções, escolha da decisão, viabilização e implementação da decisão e análise dos resultados obtidos.

2. Definição do problema (diferenciar causa e sintoma)

Conhecer melhor o processo de tomada de decisão na enfermagem pode ajudar a adquirir maiores habilidades e ter atitudes mais seguras.

Devem ser considerados fatores como administração, normas e regulamentos, condições de trabalho, produtos, e outros determinantes de particularidades da situação ou função.

3. Coleta de dados (ouvir todos os envolvidos)

É necessário que o enfermeiro tenha domínio do processo de trabalho e seja capaz de estabelecer relações significativas na instituição, e que contribua para uma tomada de decisão mais acertada e, consequentemente, para o melhor resultado do trabalho. Para isso, faz-se necessário desenvolver habilidades gerenciais e capacidade de utilizar instrumentos. A informação e o conhecimento são as bases neste processo.

4. Análise dos dados (causas e fatores)

Deve-se procurar chegar às causas e a definições da situação. Tendo como objetivo visualizar o problema de diferentes ângulos.

Buscando relacionar as forças restritivas que causam e mantém o problema, resistindo à sua solução (forças negativas) e as forças impulsoras, que contribuem para a solução do problema (forças positivas).

5. Procura de soluções alternativas (alternativas e consequências)

O profissional deve estar em constante desenvolvimento para acompanhar as inovações tecnológicas, com potencial para a resolução de problemas, capacidade de negociação, decisões criativas e inovadoras.

Além de possuir competência técnica, é necessário o desenvolvimento de compromisso com o processo de gestão, que exige qualidades como a criatividade, a inovação, a intuição, a emoção, a capacidade de se relacionar e, principalmente, a importância da postura ética que é essencial em suas funções administrativas, principalmente no processo de tomada de decisão na enfermagem.

6. Escolha ou decisão (programar e controlar a implementação)

Neste momento em que já foi feito o estudo da situação, das causas e das possíveis alternativas, é necessário fazer uma escolha da solução, considerando as que melhor atendam aos objetivos estabelecidos e às circunstâncias presentes.

7. Implementação

A solução escolhida deve ser aplicada, este fator depende do anterior, pois a tomada de decisão por consenso do grupo leva a pouca ou nenhuma dificuldade na implementação, já as decisões baseadas em um único elemento são mais difíceis de serem implementadas, pois depende desse indivíduo convencer todo o grupo a aceitar a decisão;

8. Avaliação

Para finalizar, todo o processo deve ser verificado para identificar se será possível resolver o problema e quais as consequências da decisão a ser tomada, para fundamentar futuras intervenções.

As 3 principais razões para a tomada de decisão

1. A necessidade de o enfermeiro utilizar julgamento independente, ou seja, de atuar com base numa avaliação racional da situação e não de forma preconceituosa e/ou de submissão sem questionamento, às imposições de outros profissionais e das instituições;

2. Os ideais de libertação do indivíduo, em que o profissional pode livrar-se do controle de crenças e atitudes injustificadas;

3. A terceira trata da necessidade de desenvolver, em benefício do receptor de cuidados, a racionalidade no julgamento clínico e científico inerente ao processo de enfermagem.

Tomar decisão é fundamental no gerenciamento e faz parte da rotina diária do enfermeiro. O uso de modelos de etapas de tomada de decisão auxilia a entender e analisar uma situação, o processo de encontrar a melhor alternativa, e consequentemente, resultados e avaliações satisfatórias, levando a decisões acertadas.

Quer se tornar um enfermeiro líder? Confira, também, nosso artigo sobre  Liderança na Enfermagem!

Gostou deste artigo? Compartilhe com seus amigos ou mande novas sugestões para a CNPH, pois ficaremos felizes em escrever novos conteúdos relacionados à área da saúde para você.

Siga-nos nas redes sociais. ????

CNPH

Presente no segmento médico-hospitalar desde 1994, a CNPH oferece a seus clientes produtos e serviços de alta performance, tecnologia, inovação e conceito, tendo como objetivo o auxílio de profissionais de diversas áreas da saúde, na escolha de produtos e equipamentos necessários para o atendimento do paciente com total segurança.

Esta postagem tem 2 comentários
  1. Excelente tema, os cursos de graduação deveriam introduzir como disciplina, o graduando sai da instituição sem bagagem nenhuma sendo apenas um generalista com pensamento de assistencial somente nos cuidados , sendo que a pratica de enfermagem esta muito alem disso.

    1. Olá Rosali, ficamos contentes com sua observação. Nosso objetivo é contribuir com conhecimento aos graduandos e profissionais de saúde, com conteúdos interessantes e que fazem parte do nosso dia a dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Buscar